quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

"Investigadora da Universidade do Minho recebeu a bolsa NARSAD"

«Portuguesa recebe uma das principais bolsas do mundo em saúde mental
Uma investigadora da Universidade do Minho recebeu a bolsa NARSAD, “uma das mais prestigiadas” na investigação em saúde mental, e pretende identificar novos biomarcadores do declínio cognitivo inerentes ao envelhecimento, neurodegeneração e exposição ao stress crónico, anunciou aquela instituição.
Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a academia minhota explica que a bolsa atribuída a Neide Vieira, de 32 anos e a o pós-doutoramento no Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS), na Escola de Medicina da Universidade do Minho, em Braga, distingue os jovens investigadores “mais promissores do mundo” naquela área de estudo.
Segundo o texto, a investigadora pretende “apoiar novas estratégias para prevenir, retardar e reduzir” o declínio cognitivo.
“Os mecanismos moleculares subjacentes ao envelhecimento e a doenças associadas, como as neurodegenerativas, não são ainda completamente conhecidos. Acredita-se que se prendam em parte com a desregulação do equilíbrio proteico no interior das células, ou seja, que diferentes proteínas se apresentem em maior ou menor quantidade, conduzindo a uma disfunção celular”, explica a investigadora no texto.
A UMinho explica que “o estudo das proteínas envolvidas na manutenção daquele equilíbrio é, por isso, essencial” pelo que um dos objetivos da investigação de Neide Vieira é “compreender como a expressão e função de certas proteínas muda durante o envelhecimento e na presença de fatores ambientais de risco”.
Em concreto, “de que forma estas alterações podem afetar negativamente o sistema nervoso central, nomeadamente a memória e a aprendizagem, através da desregulação da neurotransmissão”, sustenta a investigadora cujo estudo, que inclui testes com roedores, vai ser realizado em colaboração com o Instituto de Biologia Molecular e Celular de Singapura.
A “NARSAD Young Investigator Grant” foi atribuída pela Brain & Behavior Research Foundation (EUA), a entidade que mais apoia a pesquisa em neurobiologia no mundo, tendo o júri de avaliação incluido dois Prémios Nobel.
Neide Vieira nasceu em 1984 em Pretória (África do Sul), filha de portugueses, tendo-se licenciado em Biologia Aplicada.
A investigadora doutorou-se em Ciências Biológicas pela UMinho, em parceria com a Universidade de Aberdeen (Reino Unido) e conta com trabalhos desenvolvidos no Instituto Jacques Monod e na École Normale Supérieure (França).
A cientista fez depois um pós-doutoramento na Universidade de Nova Iorque (EUA) e desenvolve outro em Neurociências na UMinho, contando ainda com cursos avançados na Arménia, Suíça, Grécia, Espanha.»


(notícia CRUP, de 6 Dezembro, 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

"FENPROF acusa Governo de impulsionar transformação de universidades em fundações"

«O secretário-geral da Federação Nacional de Professores (FENPROF), Mário Nogueira, acusou hoje o Governo de impulsionar a transformação de universidades e politécnicos em fundações de direito privado, argumentando que isso abre a porta à privatização das instituições.
“Um governo que repete muitas vezes que defende a escola pública, ou não está a falar verdade ou tem uma incoerência muito grande. O ministro [da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor] é o grande impulsionador da transformação das instituições em fundações”, disse hoje Mário Nogueira, numa conferência de imprensa, em Coimbra.
O sindicalista frisou que esta opção “não resolve problemas e criará outros” e “põe em causa o caráter público do ensino superior público”.
A essa opção, a FENPROF contrapõe o alargamento das margens de autonomia de universidades e politécnicos, “mas dentro daquilo que é a resposta pública”, e outras formas de financiamento estatal, e apelou a que tanto o Governo, como os partidos que o suportam, na Assembleia da República, “assumam publicamente que o caminho não é esse [o das fundações de direito privado]”.
“[O Governo] Não pode desresponsabilizar-se daquilo que é uma responsabilidade sua, o financiamento da Educação”, lembrou Mário Nogueira.
Na sessão, João Cunha e Serra, do departamento de ensino superior da FENPROF, manifestou-se conta os conselhos de curadores das fundações, constituídos por personalidades externas às instituições de ensino superior, “que as podem orientar, pondo em risco o interesse público”, frisou.
A exemplo de Mário Nogueira, apelou a que universidades e politécnicos, mas também as próprias academias, se reúnam para reclamarem “condições de aumento da sua autonomia, no âmbito do ensino público”.
João Cunha e Serra disse ainda que quem defende as fundações “o faz por razões ideológicas, porque quer a privatização”.
O responsável da FENPROF recordou ainda a criação das primeiras fundações, em 2009 - nas universidades do Porto e Aveiro e no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE] -, lembrando que o atual ministro, Manuel Heitor, era na altura secretário de Estado e esteve “na origem dessa figura, para contornar as dificuldades que vinham do ministério das Finanças”.
“Alegam que a gestão pública só atrapalha e isso não é um dado adquirido”, frisou João Cunha e Serra, acrescentando que, na altura, foi prometido um “dote” de dezenas de milhões de euros à Universidade do Porto “e receberam zero”.
“E podiam passar a regras de contabilidade privada, e sair do âmbito do Orçamento do Estado, mas não conseguiram fazê-lo também. Restou a gestão de património, o que levou o ISCTE a fazer um hotel, coisas questionáveis do ponto de vista do interesse público”, argumentou João Cunha e Serra.
“Agora há uma nova vaga de procura destas regras de direito privado, [que] com este ministro voltam à ribalta”, acusou.»

(reprodução de notícia DIÁRIO DE NOTÍCIAS online, de 05 dezembro de 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

sábado, 3 de dezembro de 2016

"Portugal deve ´segurar, primeiro, os nossos talentos`”

«150 empregos altamente qualificados e um novo edifício. O protocolo Smart Green Home, no valor de 19 milhões de euros, é assinado esta sexta-feira entre a Bosch e a Universidade de Aveiro.

A Bosch assina esta sexta-feira um contrato consórcio com a Universidade de Aveiro no âmbito do Portugal 2020 para lançar as bases do projeto Smart Green Home. A parceria quer criar soluções no âmbito da conectividade e soluções de eficiência energética para “casas inteligentes”. Falámos com Sérgio Salústio, vice da Bosch em Aveiro, que diz que Portugal tem de “segurar primeiro os nossos talentos” e, depois, “criar condições para atrair outras competências e outros talentos” vindos de fora.
A cerimónia começa às 10h nas instalações da Bosch em Aveiro, onde será também inaugurado um novo edifício de Investigação e Desenvolvimento da unidade da Bosch Termotecnologia. Trata-se de um momento importante para a empresa alemã, para a Universidade de Aveiro e para a economia nacional, já que implica o investimento de 19 milhões de euros e a criação de 150 postos de trabalho altamente qualificados – técnicos doutorados e pós-graduados.
Os 19 milhões de euros serão aplicados durante quatro anos e repartidos (aproximadamente) em 10 milhões para a Bosch e 9 milhões para a Universidade de Aveiro. Numa primeira fase, o dinheiro servirá, essencialmente, para investimento em mão de obra e, numa segunda fase, o investimento destina-se a reforçar infraestruturas, quer na Bosch, quer na Universidade, seja no espaço dedicado ao desenvolvimento de software, ensaio e teste de energias renováveis, seja em laboratórios de pesquisa e desenvolvimento.
Esta explicação foi-nos dada por Sérgio Salústio, Vice-Presidente Sénior de Engenharia de Produto da Bosch Termotecnologia em Aveiro. Em entrevista ao Observador, detalhou os principais aspetos deste protocolo, que tem por objetivo a criação de um centro de competência para desenvolvimento de software e soluções de conectividade.
A unidade da Bosch em Aveiro é, desde 2004, um centro de competência mundial em soluções de água quente, ou seja, as que visam produtos como os esquentadores, os cilindros elétricos e bombas de calor para aquecimento de água doméstica. “O novo centro vai permitir expandir estas soluções de água quente para sistemas de climatização (aquecimento e arrefecimento de espaços) e também, cuidar da qualidade do ar ambiente e desenvolver controladores e aplicações que interligam estes equipamentos”, explicou-nos Sérgio Salústio. “Este projeto pretende encontrar soluções para revolucionar o nível de conforto, um conforto ‘inteligente’, mais barato e de utilização intuitiva e divertida”, acrescentou.
O novo centro da Bosch em Aveiro representa uma oportunidade de emprego para muitos jovens formados na Universidade de Aveiro, mas o vice-presidente da Bosch Termotecnologia reconhece que “serão precisas muitas competências e muito especializadas”, pelo que estão envolvidas também as Universidades do Porto e do Minho.
Sérgio Salústio não tem dúvidas de que as universidades portuguesas estão a preparar bons técnicos e engenheiros, mas considera que faltava “um programa deste tipo, porque nem sempre as competências [dos estudantes] estão orientadas para a aplicação industrial.” O que se pretende é que “os novos alunos consigam passar à prática o conhecimento adquirido, ainda que numa área muito concreta como são as tecnologias e produtos de água quente e climatização”, uma área da Bosch coordenada, a nível mundial, pelo polo de Aveiro.
O responsável da empresa alemã considera, também, que as entidades portuguesas estão sensibilizadas e a trabalhar bem para a implementação de novos projetos e para o desenvolvimento de novas tecnologias (tomando por bom exemplo o Web Summit). Entende que “tudo reside nos talentos e nas competências” e que, para o desenvolvimento da indústria nacional, é importante conseguir “segurar primeiro os nossos talentos e criar condições para atrair outras competências e outros talentos”, bem como aprender a colaborar e a tirar partido desta nova vaga de desenvolvimento que se está a verificar em todo o mundo.
O projeto Smart Green Home é resumido por Sérgio Salústio da seguinte forma:
Trata-se de uma parceria destinada a unir universidade e indústria para transformar conhecimento em competências e em benefícios para a sociedade, através dos produtos e serviços que serão produzidos, desenvolvidos e comercializados a partir de Aveiro para o mundo inteiro. O projeto é local, mas tem um impacto mundial.”
O Vice-Presidente Sénior de Engenharia de Produto da Bosch Termotecnologia em Aveiro referiu que o retorno esperado para a economia nacional, até ao final do projeto, assenta em três vertentes: aumento de 30% na faturação deste departamento da Bosch; crescimento de 20% o número de trabalhadores qualificados, incluindo colaboradores com doutoramento e pós-graduação; aumentar o relacionamento com as instituições científicas do país, criando uma rede de colaboração, orientada para o domínio das “smart homes”.
O edifício agora inaugurado acrescenta mais 1.500 metros quadrados de área laboratorial, para suportar as áreas que vão ter o reforço com o novo centro (energias renováveis, eletrónica e software). Sérgio Salústio afirma que este novo espaço foi arquitetonicamente concebido “para promover um ambiente de colaboração”, é amplo e tem salas preparadas para reuniões com qualquer parte do mundo, ambientes informais que promovem a criatividade, desenhados de acordo com o programa “Inspiring Work Conditions”, promovido a nível global pela multinacional alemã.
A assinatura do protocolo Smart Green Home, que acontece esta sexta-feira entre a Bosch e a Universidade de Aveiro, conta com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, o reitor da Universidade de Aveiro, Manuel Assunção, os administradores da Bosch, Rüdiger Saur, Sérgio Salústio e Carlos Ribas, bem como representantes da AICEP e do Compete.»

(reprodução de notícia OBSERVADOR online, de 2/12/2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

"Mais de metade dos universitários dos Açores consomem bebidas alcoólicas"

«Um estudo que vai ser apresentado na sexta-feira em Ponta Delgada conclui que 57% dos alunos da Universidade dos Açores consome álcool, preferencialmente cerveja, nas festas e aos fins de semana, e começaram a beber na adolescência.

"É interessante verificar que há cerca de 26% de alunos que começaram a beber até aos 15 anos, ou seja, não é o facto de estarem na universidade que os faz beber", disse a investigadora Teresa Medeiros à agência Lusa.
A psicóloga e professora da Universidade dos Açores apresenta na sexta-feira o estudo "O consumo do álcool nos estudantes universitários", no colóquio internacional sobre "Consumo de substâncias e comportamentos aditivos, velhos e novos desafios", na Biblioteca Pública de Ponta Delgada, promovido pelo Instituto de Apoio à Criança (IAC).
O estudo, realizado nos últimos três anos, tem uma amostra de mil estudantes, com idade superior a 18 anos, da Universidade dos Açores.
Segundo Teresa Medeiros, 57% dos inquiridos assumem que consomem álcool. Destes, 29% fazem-no nas festas e 25% aos fins de semana, enquanto 3% consomem habitualmente durante a semana e 43% não consomem álcool.
"A bebida que mais consomem é a cerveja, seguida das bebidas destiladas", e os dias de maior consumo são a sexta-feira e o sábado, acrescentou a investigadora, que em 2013 realizou um estudo semelhante, mas com uma amostragem de 500 estudantes.
Os dados obtidos indicam que os estudantes da academia açoriana -- sendo que o sexo masculino é o que tem maior percentagem de consumo - consomem menos álcool do que os congéneres de outras universidades portuguesas, nomeadamente Coimbra, Lisboa, Aveiro e Bragança.
No entanto, "há aqui nos Açores hábitos de consumo que começam muito antes de entrarem na universidade", sublinhou Teresa Medeiros, alertando que "os estudantes universitários têm uma cultura ligada à noite e à festa, e a crença de que o divertimento está associado ao consumo de álcool".
Segundo a docente, "no estudo em concreto verifica-se que há um tipicismo de consumo, já que consomem sobretudo só em festas ou só aos fins de semana".
"Os alunos, durante a semana, têm um comportamento exemplar, vão às aulas e estudam, e ao fim de semana, ou nas festas de anos e festas académicas, têm um maior consumo", referiu.
Para Teresa Medeiros, este comportamento explica-se por "uma necessidade de inserção", já que os inquiridos admitiram que consomem "sempre acompanhados com amigos, familiares ou namorados", um consumo "social e relacionado com a crença errónea do divertimento".
A investigadora destacou que o estudo permitiu verificar que "nos Açores a família é protetora do consumo, porque muitos estudantes vivem em casa dos pais e a grande confidente é a mãe, seguida dos amigos", mas "o consumo de álcool não tem relação com a idade, com o curso, nem com a frequência na universidade".
Os malefícios do álcool e a autoestima são fatores determinantes de quem não consome.
A investigadora defende que se deve "intensificar a prevenção nas festas e atuar sobre as crenças erróneas", assim como "atuar na prevenção primária de consumo de álcool", dada a idade com que os estudantes começam a beber bebidas alcoólicas.»

(reprodução de notícia Lusa/Açoriano Oriental, de 30 de Nov de 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

"FEUP debate o Impacto do Portugal 2020 nas Universidades"

«É uma iniciativa do Gabinete Portugal 2020 da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e tem por objetivo apresentar resultados relativamente a estes três anos de funcionamento do programa de financiamento Portugal 2020: que vantagens há para as Universidades participarem neste programa de financiamento e o que podem os grupos de investigação alcançar ao candidatarem-se aos fundos disponíveis? No dia 30 de novembro, quarta-feira, todas estas questões vão ser esclarecidas a partir das 9h00, no Anfiteatro Nobre da FEUP.
Em jeito de balanço dos três primeiros anos do Programa Portugal 2020 e perspetivando as oportunidades de financiamento para os próximos anos, esta sessão terá como mote a apresentação de resultados e a discussão de várias temáticas relacionadas com este programa de financiamento.
A sessão vai contar com a participção de várias personalidades ligadas ao meio académico e com responsabilidades ao nível governamental. Entre elas inclui-se Sebastião Feyo de Azevedo, Reitor da U.Porto, que falará sobre “O papel da Universidade do Porto no desenvolvimento regional e empresarial”.
Os outros convidados são Ricardo Miguéis, chefe do gabinete da secretária de estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que debruçar-se-á sobre o investimento estatal em investigação e inovação; Alexandra Vilela, vogal da Direção do COMPETE, que vai abordar a questão da capacitação das Universidades portuguesas através dos instrumentos de financiamentos do programa Portugal 2020; José Carlos Caldeira, presidente do Conselho de Administração da ANI, que falará sobre a importância da aproximação entre a Ciência e a Economia; e Eurico Neves que, na qualidade de diretor executivo da Inova+, fará uma abordagem ao papel fulcral da Inovação no programa Portugal 2020. Por ultimo, Pedro Coelho, coordenador do gabinete Portugal 2020 da FEUP, vai apresentar alguns indicadores do que tem sido a participação da Faculdade de Engenharia neste programa quadro.
No âmbito do Programa Portugal 2020 a FEUP assegurou já cerca de 20 milhões de euros de financiamento, distribuídos por projetos de financiamento para as suas unidades de I&D e Laboratório Associado, projetos com a indústria nacional, infraestruturas científicas, formação avançadas, entre outros.
sessão é aberta ao público. A entrada é gratuita, mas sujeita a inscrições prévia

(reprodução de NOTÍCIAS DA  UNIVERSIDADE DO PORTO online, de  Terça-feira, 29 de Novembro, 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

"Três universidades portuguesas entre 200 melhores do mundo em Empregabilidade"

«Três universidades nacionais estão entre as 200 melhores do mundo, no que à empregabilidade diz respeito, de acordo com um conceituado ranking britânico. Entre as dez primeiras, cinco são norte-americanas

A Universidade Nova de Lisboa, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Porto figuram entre os 200 melhores estabelecimentos de ensino superior de todo o mundo, em termos de empregabilidade, na avaliação do QS Graduate Employability Rankings 2017. Também a Universidade de Lisboa surge colocada neste ranking que avaliou as 300 academias que melhores práticas desenvolvem na criação de emprego, mas já fora das duas centenas de instituições que ocupam os lugares cimeiros.
Este ranking toma por base cinco parâmetros, com pesos variáveis para a definição da listagem final: reputação por parte dos empregadores (30%), parcerias com empresas (25%), remuneração dos diplomados (20%), presença de empresas no campus (15%) e taxa de empregabilidade (10%).
O ranking é encabeçado pela Universidade de Stanford (EUA), seguida pelo instituto MIT e pela Universidade de Tsinghua, da China.
No ‘top ten’, dominado por cinco representantes dos EUA, constam três estabelecimentos de ensino superior europeus: Universidade de Cambridge, do Reino Unido, no 5.º lugar, a francesa Ecole Polytechnique ocupa o sexto posto e a universidade britânica de Oxford garante a oitava posição.
A partir das cinquenta melhores universidades a nível internacional, as restantes surgem inseridas em lotes mais extensos. A Universidade Nova de Lisboa, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Porto aparecem no grupo compreendido entre 151-200 mais bem-sucedidas no estímulo à criação de emprego para os seus estudantes, sem, no entanto, lhes ser atribuída uma posição concreta. A nível europeu, as três instituições nacionais encontram-se as 75 com mais reconhecimento neste estudo.
Se analisarmos apenas as parcerias com entidades empregadoras, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Porto encontram-se globalmente entre as 100 que obtiveram um melhor desempenho, ocupando os 73.º e 86.º lugares, respetivamente.
Na classificação geral, a Universidade de Lisboa aparece para lá dos 200 estabelecimentos de ensino que obtiveram os melhores resultados, mas consegue o 82.º posto no que toca à remuneração dos seus diplomados, o que a torna no estabelecimento de ensino superior português que melhor classificação obteve neste aspeto.
O QS Graduate Employability Rankings consiste numa avaliação anual, desenvolvida pela consultora britânica Quacquarelli Symonds e realizou-se pela primeira vez em 2015.»

(reprodução de notícia EXPRESSO online, de 28.11.2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]

terça-feira, 29 de novembro de 2016

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

REUNIÃO Nº 006/2016 DO CONSELHO GERAL: CONVOCATÓRIA

«REUNIÃO Nº 006/2016 DO CONSELHO GERAL
CONVOCATÓRIA
DATA: 12 de dezembro de 2016
HORAS: 09h30
LOCAL: Salão Nobre da Reitoria, Largo do Paço
= Reunião aberta ao público no período da manhã =

Assuntos de iniciativa do Conselho Geral
1. Informações;
2. Aprovação das atas número 4 e 5, referentes às reuniões dos dias 31/10/2016 e 21/11/2016;
3. Revisão dos Estatutos da UMinho;
4. Apresentação do Relatório do Provedor do Estudante;
5. Eleição do Provedor do Estudante;
6. Processo Eleitoral do Conselho Geral: aprovação do Regulamento e do Calendário Eleitoral;
7. Conselho de Curadores.

Assuntos de iniciativa do Reitor
1. Informações;
2. Plano de atividades e orçamento UMinho 2017;
3. Plano de atividades e orçamento SASUM 2017;
4. Extinção do Núcleo de Investigação em Marketing e Estratégia (iMARKE);
5. Outros assuntos.

Braga, 25 de novembro de 2016
O Presidente do Conselho Geral,

Álvaro Laborinho Lúcio»

(reprodução de convocatória entretanto emitida)

sábado, 26 de novembro de 2016

"UTAD: teses paradas por falta de pagamento ... de propinas já pagas"

«O escândalo na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro atinge ramificações que chegam aos diretores de curso.
Há dezenas de documentos que provam que um grupo alargado de professores beneficiou dos convénios luso-brasileiros, autorizados pela Reitoria da Universidade desde 2005.
Cerca de uma centena de estudantes brasileiros que vieram a Portugal fazer doutoramento continuam com a vida em suspenso. Não podem defender as teses porque a UTAD lhes exige que voltem a pagar as propinas que já pagaram e que entretanto desapareceram.
O antigo vice-reitor Jorge Azevedo esclareceu o Sexta às 9 de que as autorizações de pagamento que assinou foram devidamente auditadas e que não foi detectada qualquer irregularidade.»

(reprodução de notícia RTP 1 , de 25 de novembro de 2016)

[cortesia de Nuno Soares da Silva]